• IEVY

DEUS É PAI PROTETOR E AMOROSO

A seguir, levantou-se e foi para seu pai. "Estando ainda longe, seu pai o viu e, cheio de compaixão, correu para seu filho, e o abraçou e beijou.” (Lucas 15.20).


Domingo passado comemoramos o Dia dos Pais. É uma data marcada com grande apelo comercial. O comercio investe muito em propaganda para atrair o publico com apelo emocional aos filhos que desejam presentear seu pai nesta data.

Quando olharmos para Deus podemos vê-lO de diferentes aspectos: Deus Criador, Deus Supremo, Senhor e Deus Pai. É preciso lembrar que temos Deus que é Pai, que nos ama e nos protege. Não importa as situações em que vivemos, as lutas e dificuldades que enfrentamos. Precisamos saber que Ele está conosco e luta as batalhas por nós. Ele nos protege mesmo quando tudo parece estar perdido. Ele nos ama independentemente dos lugares por onde andamos, e quão imundos nos sentimos. Ele sempre estará de braços abertos esperando por nós. Essa é a figura da parábola registrada no evangelho de Lucas 15. Mostra um pai que nunca desistiu de esperar o retorno do filho para casa. Talvez ele ficasse sentado na varanda de sua casa aguardando o filho voltar para casa.

Podemos dizer que o pai da parábola era protetor. Associamos esse pai a Deus como nosso Pai protetor. Deus, como Pai Protetor, pode ser visto no relato de 2 Cr 20, que nos conta sobre três exércitos que vinham marchando contra o povo de Judá. Após o clamor do rei Josafá, Deus, que é Pai protetor, interfere na situação dando a vitória ao Seu povo. O texto nos mostra que os tesouros que recolheram após vencerem a batalha eram tantos que precisaram de três dias para carregar e ainda deixaram coisas para trás.

Ao ler essa pastoral, pergunto: você pode compartilhar situações em que se sentiu protegido ou protegida por Deus diante de uma grande batalha? Deus além de ser Pai protetor, Ele também é Pai de Amor. A história do filho prodigo é marcada por muitas facetas, mas o amor daquele pai sobressai de tal maneira que nos chama atenção. O filho pede a herança ao pai, sai de casa, gasta tudo de maneira impensada. Quando fica sem dinheiro e passando fome, sente a necessidade de voltar para casa. O esperado nessa parábola é que ele não fosse aceito, mas o pai amoroso o recebe e o acolhe. Dá-lhe novamente o lugar de filho. O restaura ao aconchego do lar.

Queridos, Deus fez e continua fazendo assim conosco. O pecado nos afastou de Deus, mas, por ser amoroso, Ele nos acolheu em Cristo e nos recebeu como filhos novamente.

Queridos, Independente da nossa situação, do contexto que estamos vivendo, Deus nosso Pai protetor e amoroso está sempre pronto a nos acolher e abençoar. Não importa a sua situação, o quão longe andou ou ainda está andando, mesmo assim temos um Pai que não mede esforços para que voltemos ao aconchego de seus braços.