• IEVY

O DEUS QUE PROVÊ ÁGUA NO DESERTO

“E tornou Isaque e cavou os poços de água que cavaram nos dias de Abraão seu pai, e que os filisteus entulharam depois da morte de Abraão, e chamou-os pelos nomes que os chamara seu pai. Cavaram, pois, os servos de Isaque naquele vale, e acharam ali um poço de águas vivas.” (Gn 26. 18-19, 24-25).

No domingo 6.1, no culto da manhã, o Pr. Ageo pregou em Gn 22, focando quando Deus provou Abraão na entrega de seu filho Isaque, em holocausto, no altar. Fomos desafiados no sentido de entregarmos o nosso Isaque a Deus, ou seja, o que nos é mais precioso. Neste texto, encontramos Deus provendo o cordeiro para o sacrifício. No mesmo domingo 6, à noite, o Pr. Clóvis baseou sua pregação em Gn 21, abordando a história de Isaque, mas enfocando a sua desmama. Desenvolveu a mensagem no sentido de que nós também precisamos desmamar do leite espiritual para comermos alimentos consistentes espiritualmente, como Paulo fala em 1 Co 3. 1 e 2. O Pr. Clóvis destacou o Deus provedor, na pessoa de Jesus, como nosso alimento espiritual sólido e suficiente, o Pão que desceu do céu.

Deus sempre é provedor e abençoador. No domingo passado, continuei parte desta história, mostrando a provisão de Deus na vida de Agar, Ismael, Isaque e seu povo. Deus continua provendo nossas vidas hoje. Deus é participante de nossas vidas, como foi na vida de Abraão, de Isaque, de Ismael e de Agar. Assim aconteceu, também, quando Sara exigiu que Abraão expulsasse Agar e Ismael da presença deles. Abraão mandou-os ao deserto com comida e água.

A falta de água é grande problema. Vivemos em centro urbano e não nos preocupamos com o abastecimento de água. Não cavamos poços. Temos facilidade no abastecimento de água. Só devemos ser responsáveis como usá-la.

O texto base da mensagem e desta pastoral nos mostra o momento, na vida de Isaque, em que ele enfrentava tremenda crise, pois o local onde vivia passava por grande fome e escassez de água.

Mesmo vivendo em situação difícil e hostil, Isaque experimentou a ação do Deus supridor. Deus supriu seu pai Abraão no passado e, agora, a ele.

Não é o objetivo abordar a necessidade de encontrarmos água potável. Quero trabalhar a falta de água simbolizando a aridez, a luta, as dificuldades.

Queridos, nos momentos de crises e aridez emocional e espiritual se faz necessário encontrarmos refrigério para a alma. Como Isaque, é necessário abrirmos poços para encontrarmos “a água viva”. A mesma água que a mulher Samaritana encontrou no poço de Jacó, quando encontrou Jesus.

São nos momentos de crises, de lutas espirituais e de sequidão de alma que os poços com “a água viva” são verdadeiros tesouros. Por isso Davi, no Salmo 23.2, expressa essa verdade dizendo: “Deitar-me faz em verdes pastos, guia-me mansamente a águas tranquilas. Refrigera a minha alma; guia-me pelas veredas da justiça, por amor