SETE MARCAS DE UMA IGREJA GENUÍNA | Pr. Helinho

V.31 – “Mas estes foram escritos para que vocês creiam que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus e, crendo, tenham vida em seu nome.(João 20.19 a 31)


Vivemos tempos de incertezas, dúvidas, falta de transparência e verdade na sociedade. Isso gera certo medo em todos nós. Você já teve a sensação de estar no meio de um fogo cruzado e não saber de nada e nem para onde correr.

Os seguidores de Jesus estavam reunidos numa casa trancados, Havia tensão neles e pressão externa. Provavelmente uma mistura de expectativa e frustração em seus corações. Os discípulos não estavam com medo do império romano, mas dos religiosos.

Fazemos confusão quando falamos de “religiosos”, evangélico, cristão, crente, mundo gospel, igreja institucional. Quando vemos alguma coisa de diferente, ou escandalosa, ficamos aterrorizados e com vergonha de pertencermos a qualquer desses grupos. Precisamos separar ou diferenciar o que é ser Igreja de Jesus.

No texto base, os discípulos representam a Igreja genuína de Jesus. Vamos destacar as características de uma igreja verdadeira ou as marcas de um verdadeiro discípulo de Cristo. Abordaremos sete marcas de uma igreja genuína:

1ª) A IGREJA TEM A PAZ QUE VEM DE JESUS

V19b: “Jesus entrou, pôs no meio deles e disse: Paz seja com vocês!”

Os discípulos estavam com as portas trancadas (insegurança), com medo dos judeus (ameaça de perseguição e morte) e Jesus entra declarando sua Paz.

Dias antes, Jesus tinha dito a seus discípulos: “Deixo-lhes a paz; a minha paz lhes dou. Não a dou como o mundo a dá. Não se perturbem os seus corações, nem tenham medo.” (Jo14.27). Essa paz não é igual a que o mundo dá. A paz que o mundo dá é paz temporária, falsa paz, trégua. É também paz exterior.

A paz de Jesus é interior e independe de fatores externos.